.posts recentes

. LINHA DO TUA

. CCDR trava prospecções no...

. Adorei este artigo!

. Factura EDP

. Os lobos da governança

. Convite para audição públ...

. Presidente do INAG desmen...

. Barragem de Foz Tua

. A todos os amigos e visit...

. Partido “Os Verdes” diz q...

. Montesinho terá energia e...

. O Governo ainda não sabe ...

. Barragem do Tua

. Governo aprova Programa N...

. Tente acertar!

. Este blog também está de ...

. Gato Fedorento / para rir

. República dos bananas

. As mãos limpas

. Autocarro avariado acende...

. Homenagem A Florencia e à...

. Salvem a Linha do Tua

. Debate em Mirandela - Inf...

. Estalou o verniz ao Gover...

. Barragem vai afogar linha...

. Contra o fecho da Urgênci...

. Tratados como animais!

. A minha mãe partiu para o...

. Água castanha obriga Câma...

. Funcionários públicos - A...

. A lei da selva

. Mais pobres pagam cada ve...

. Música medieval em Carraz...

. Imagens do blog do amigo ...

. Ministra da Educação - Ga...

. Encerramento das Urgência...

. As grandes questões do no...

. Ministro da má saúde dos ...

. Parque de campismo flutua...

. os perigos de dizer a ver...

. "Faça dos outros estúpido...

. O deserto da Margem Sul

. O Engenheiro Areias / Est...

. Apoio à Greve Geral

. A 30 de Maio os trabalhad...

. convite

. As imagens valem por mil ...

. Mapa de Portugal

. Última hora / Murça: mini...

. Sócrates pediu o esforço ...

.arquivos

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

.Fazer olhinhos

Sábado, 21 de Outubro de 2006

250 anos de bons vinhos - Região Demarcada do Douro é a mais antiga do mundo

Região Demarcada do Douro é a mais antiga do mundo

Foi há 250 anos que o Marquês de Pombal lançou as bases do que seria a Região Demarcada do Douro. A delimitação tornou possível assegurar a qualidade dos vinhos que asseguraram um lugar estratégico no mundo.

Quem vai subindo o Douro, calmamente rio acima, facilmente repara a alteração da paisagem, da urbe que vai ficando para trás, dando lugar a íngremes colinas conquistadas pelo homem. Pela terra o rio foi desbravando caminho, criando um sulco tal que aí de baixo tudo toma proporções quase adamastoras.

O solo do Douro é pobre, o clima varia por extremos entre Invernos rigorosos e Verões escaldantes, mas isso não impediu as gentes dessas terras de criar soluções para a própria sobrevivência. Com os próprios braços, e com “mais do que permitia a força humana”, moldaram-se as colinas de xisto em socalcos, quais jardins suspensos, nos quais se gera o fruto de um dos néctares mais apreciados a nível mundial. Os bagos negros ou brancos crescem sob as muitas folhas verdes de uma vinha. Da semente brota a planta que, por sua vez, alimenta as flores que geram os frutos.
Durante o ano auxilia-se o trabalho da própria natureza; há a época da poda, algumas enxertias para melhores castas, a certa altura tudo é pulverizado com sulfato e enxofre, para proteger as vinhas do míldio (doença da videira provocada por um fungo). Os meses vão decorrendo e há que aliviar as videiras do excesso de folhas para que o sol possa amadurecer todos os cachos. Quando este processo termina, quando as uvas estão maduras, é época de vindima. Durante duas a três semanas, a partir do final de Setembro, os socalcos do Douro enchem-se de homens e mulheres que, de cestos às costas, vão apanhando as uvas, os cachos carregados de bagos suculentos. Brancas para um lado, pretas para outro… a um ritmo certo, passo seguro, alguma música para não esmorecer, desde o cantar do galo até aos últimos raios de sol. E tudo vai para o lagar, para a uva se tornar sumo, néctar, vinho.

Douro vinhateiro
A tradição da plantação de vinha no Douro remonta aos romanos, tendo mesmo sido encontradas grainhas de uvas numa estação arqueológica, perto de Mirandela, com mais de três mil anos. No entanto, é sobretudo no final do Império Romano (séculos III-IV), que os testemunhos da vitivinicultura começam a tornar-se mais significativos com a produção a ser desenvolvida na Idade Média, sob o impulso dos mosteiros da Ordem de Cister, que se instalaram na Beira Douro, e consolidada com o início da exportação de vinho no século XVII.

Efectivamente, a designação de «Vinho do Porto» surgiu com a sua comercialização para o estrangeiro, em especial para a Inglaterra, abrangendo todo o vinho do Douro exportado pela Alfândega do Porto, datando a primeira referência escrita, de que existe conhecimento, de 1678.
Entre 1680 e 1715 a expansão e crescimento das exportações foi notável, tendo o espírito mercantil dos negociantes ingleses, radicados na cidade Invicta, em muito contribuído para esse incremento, além de terem sido os responsáveis pela descoberta, após uma série de experiências (como a adição de aguardente aos vinhos durienses para os preservar nas longas travessias marítimas), do derradeiro «Vinho do Porto».

Rapidamente os comerciantes, e consumidores, se aperceberam que a acidez do tradicional vinho do Douro era amaciado pela aguardente que, ao interromper o processo de fermentação, mantinha o paladar original da própria uva.

Os elevados lucros obtidos com as exportações para Inglaterra viriam contudo a criar situações de fraude, abuso e adulteração da qualidade do vinho generoso. Isto porque o Tratado de Metween, de 1703, acordava tarifas aduaneiras preferenciais ao Vinho do Porto vendido em Inglaterra, em consequência do embargo comercial imposto por aquele país à França. Perante esta situação, os principais produtores de vinho durienses exigiram a intervenção do governo.

A demarcação

A 10 de Setembro de 1756, por alvará régio de D. José I, foi criada a «Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto-Douro», também denominada «Real Companhia Velha», formada pelos “principais lavradores do Douro e homens bons da Cidade do Porto” a quem foi confiada, por Sebastião José de Carvalho e Melo, Conde de Oeiras, a missão de “sustentar a cultura das vinhas, conservar a produção delas na sua pureza natural, em benefício da lavoura, do comércio e da saúde pública” (medida tomada no sentido de incrementar a produção nacional em relação à concorrência estrangeira) tendo a assinatura dos 53 artigos do alvará de instituição da companhia sido efectuada a 31 de Agosto.

Nesse mesmo ano, o futuro Marquês de Pombal criou, por lei, a Região Demarcada do Douro (RDD). Com a fundação da Companhia foi determinado pelo governo dar início às demarcações da região dos vinhos de feitoria do Douro, que compreendia toda o espaço a poente do Rio Corgo, até Barqueiros, na margem direita do rio, e também toda a zona ribeirinha do lado esquerdo, entre Penajoia e Parada do Bispo.

Para delimitar o espaço físico da mais antiga região demarcada do mundo, foram instalados 335 marcos de granito, inicialmente numa extensão de apenas 40 mil hectares. Só em 1921 é que António de Carvalho, ministro da Agricultura da I República, estabeleceu os actuais 250 mil hectares da RDD, que se estendem ao longo do vale do Douro e seus afluentes, de Barqueiros até Barca D’ Alva.

Região Demarcada

A RDD é actualmente composta por três sub-regiões distintas: a oeste o Baixo Corgo; no centro o Cima Corgo (coração da RDD) e a leste o Douro Superior. Abrange 21 municípios, espalhados por uma superfície de 4.481 quilómetros quadrados e habitada por 256 mil habitantes, sendo caracterizada por uma estrutura minifundiária, com cerca de 39 mil viticultores, possuindo, cada um, em média, cerca de 1,17 hectares de vinha.

Actualmente é o Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP), criado em 2003, que controla e fiscaliza a produção dos vinhos da RDD. Importa referir que a RDD não produz apenas Vinho do Porto, mas também um vinho de mesa com denominação de origem «Douro»; até porque dos 43 mil hectares ocupados por vinha, apenas 31 mil hectares estão consagrados à denominação de Origem Porto.

Os vinhos do Douro e Porto representam no seu conjunto 70 por cento das exportações de vinho em Portugal sendo que o segundo representa 19 por cento das exportações agrícolas portuguesas e um volume de negócios médio anual que ronda os 400 milhões de euros.

Segundo dados do IVDP, em 2005 foram comercializadas 10,4 milhões de caixas de nove litros de vinho do Porto, que representaram um volume de negócios de 405 milhões de euros. Entre Janeiro e Junho de 2006, foram vendidas 4,1 milhões de caixas de nove litros para um mercado que tem a França como principal destino, absorvendo 33 por cento do total de vendas.

------------

Douro: herança para a humanidade

No ano em que se comemoram dois séculos e meio da criação da Região Demarcada do Douro, também se celebra o quinto aniversário da classificação, pela UNESCO, do Alto Douro Vinhateiro como Património Mundial.

A candidatura partiu do Estado Português em 30 de Junho de 2000 e pretendia incluir o Alto Douro Vinhateiro na lista de espaços considerados pela UNESCO como Património Mundial. Alegando que “o Alto Douro representa um exemplo único da relação das pessoas com o espaço [representando] um trabalho combinado monumental entre a natureza e o homem”, referindo-se à construção da vinha em socalcos, pretendia-se que esta região se juntasse a outros bens anteriormente reconhecidos como o Convento de Cristo, em Tomar, o Centro Histórico de Évora ou o Mosteiro dos Jerónimos e Torre de Belém.

Foram ainda apresentadas razões relacionadas quer com elementos naturais, como “os vales estreitos, a diversidade dos habitats naturais, a transição entre o Atlântico e o Mediterrâneo, o efémero: luz e cor, som e silêncio e os aromas” quer com elementos culturais como “a utilização da terra: a estrutura da paisagem, as vinhas dominantes, as alterações humanas ao nível do solo; o acesso (o rio Douro e as linhas férreas); as quintas e os casais”.

A combinação do trabalho humano com os valores culturais levou à procura do epíteto de Paisagem Cultural, criada em 1992 pela UNESCO. De referir que dos 830 existentes em todo o mundo classificados como Património Mundial, apenas 13 são portugueses e destes só a vila de Sintra possui o título de Paisagem Cultural.

A inscrição do Alto Douro Vinhateiro na listagem de bens, pela UNESCO, foi efectuada a 14 de Dezembro de 2001 em Helsínquia, depois de uma avaliação pelo ICOMOS, realizada em Fevereiro de 2001, por a mesma responder a três critérios (C iii, iv, v) os quais afirmam que “a região do Alto Douro tem produzido vinho ao longo de cerca de 200 anos e a sua paisagem foi sendo moldada por actividades humanas”, que “os componentes da paisagem do Alto Douro são representativos do vasto leque de actividades associadas à produção de vinho” e que “a paisagem cultural do Alto Douro é um grande exemplo da tradicional região europeia produtora de vinho, reflectindo a evolução desta actividade humana através do tempo”.

De uma forma breve, a UNESCO defende que o Alto Douro Vinhateiro, se tornou uma das mais belas paisagens culturais reflectindo não só uma evolução social e económica como também tecnológica.

Os limites

Comparadas a pirâmides aztecas, as formações das vinhas em socalcos estendem-se por vários hectares de terra que contornam a linha sinuosa do rio Douro e afluentes (Varosa, Corgo, Távora, Torto e Pinhão). O território classificado na região «Alto Douro Vinhateiro», integra, assim, o vale do Douro, que já havia sido considerado património Mundial nos seus extremos (Porto e Parque Arqueológico do Côa), parte da Região Demarcada do Douro (RDD) e uma «zona tampão», onde estão integradas aldeias vinhateiras, num total de 24,6 mil hectares (cerca de um décimo da RDD).

Apesar de não ter sido elevada a totalidade da RDD, a zona classificada é representativa do Douro uma vez que inclui o espaço do Baixo Corgo, Cima Corgo e Douro Superior. Os treze concelhos distinguidos foram Alijó, Armamar, Carrazeda de Ansiães, Lamego, Mesão Frio, Peso da Régua, Sabrosa, Santa Marta de Penaguião, São João da Pesqueira, Tabuaço, Torre de Moncorvo, Vila Nova de Foz Côa e Vila Real.

por Liliana Leandro in JN


publicado por laura_ceu às 18:18

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.tags

. todas as tags