.posts recentes

. LINHA DO TUA

. CCDR trava prospecções no...

. Adorei este artigo!

. Factura EDP

. Os lobos da governança

. Convite para audição públ...

. Presidente do INAG desmen...

. Barragem de Foz Tua

. A todos os amigos e visit...

. Partido “Os Verdes” diz q...

. Montesinho terá energia e...

. O Governo ainda não sabe ...

. Barragem do Tua

. Governo aprova Programa N...

. Tente acertar!

. Este blog também está de ...

. Gato Fedorento / para rir

. República dos bananas

. As mãos limpas

. Autocarro avariado acende...

. Homenagem A Florencia e à...

. Salvem a Linha do Tua

. Debate em Mirandela - Inf...

. Estalou o verniz ao Gover...

. Barragem vai afogar linha...

. Contra o fecho da Urgênci...

. Tratados como animais!

. A minha mãe partiu para o...

. Água castanha obriga Câma...

. Funcionários públicos - A...

. A lei da selva

. Mais pobres pagam cada ve...

. Música medieval em Carraz...

. Imagens do blog do amigo ...

. Ministra da Educação - Ga...

. Encerramento das Urgência...

. As grandes questões do no...

. Ministro da má saúde dos ...

. Parque de campismo flutua...

. os perigos de dizer a ver...

. "Faça dos outros estúpido...

. O deserto da Margem Sul

. O Engenheiro Areias / Est...

. Apoio à Greve Geral

. A 30 de Maio os trabalhad...

. convite

. As imagens valem por mil ...

. Mapa de Portugal

. Última hora / Murça: mini...

. Sócrates pediu o esforço ...

.arquivos

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

.Fazer olhinhos

Domingo, 7 de Janeiro de 2007

Crucial

Já perdi a conta ao número de vezes que ouvi os sucessivos presidentes da República afirmarem, nas suas tradicionais mensagens de Ano Novo, que o ano a começar é «crucial» para o futuro do País. Quer isto dizer pelo menos duas coisas: primeiro, que os presidentes mudam mas o discurso não varia; segundo, que o futuro do País continua adiado.
A mensagem para 2007 não fugiu à regra. Cavaco Silva, esquecido já dos longos anos em que (des)governou Portugal, implementando políticas que ficaram na história como paradigma da destruição do sector empresarial do Estado, surge-nos agora na pele de primeiro magistrado da nação, hirto e sério, dizendo ser «crucial para o futuro» obter em 2007 «progressos claros» em «três grandes domínios», a saber, desenvolvimento económico, educação e justiça.
Para obter tais desideratos, segundo Cavaco, é necessários que os «verdadeiros agentes da mudança» – os empresários – cumpram o seu papel investindo mais e melhor, aumentando a produtividade e apostando na inovação e na qualidade. Para que tal seja possível, assevera, importa que o Estado não seja «um obstáculo», antes trate de «favorecer a competitividade das empresas» e de contribuir para que «os cidadãos desenvolvam as suas potencialidades».
No domínio da educação, o PR considera que «a qualidade do ensino, o estímulo à excelência e o combate sem tréguas ao insucesso e abandono escolar têm que ter sinais positivos já em 2007»; e quanto à justiça, saúda a redução de «alguma crispação» existente no sector e pede aos «protagonistas» um «contributo activo» para a «melhoria do funcionamento do sistema de justiça». Sobre as políticas que deverão dar tais frutos, nem uma palavra.
Espremendo a mensagem, o sumo não é muito, mas o sabor que deixa é por demais amargo: o desenvolvimento económico deve ser deixado aos privados, com o Governo a aplanar o caminho, e o resto são avisos à navegação para que não se faça muitas ondas.
Quanto aos portugueses, para quem cada ano é sempre «crucial» embora regra geral seja mais do mesmo, isto é, angustiante, com menos qualidade de vida, com mais sacrifícios, com menos direitos, com mais incertezas, quanto aos portugueses, dizia, podem ficar descansados que Cavaco partilha da «insatisfação» de quem quer «um país melhor», pelo que será «exigente quanto aos resultados».
Dizendo acreditar que Portugal vive «um tempo de esperança», Cavaco terminou a sua comunicação com uma advertência: «é fundamental que haja um clima de confiança e estabilidade que favoreça o desenvolvimento económico e social, credibilize as instituições e permita a realização das reformas inadiáveis».
Trocando por miúdos, nada de lutas, nada de contestações, nada de protestos. Haja esperança, fé e caridade, que a «cooperação estratégica» de Belém com S. Bento está de pedra e cal, com os respectivos inquilinos a dedicar, em cada quadra festiva, atentos olhares ao «sofrimento dos menos afortunados», que sendo cada vez mais passam cada vez menos despercebidos. Por eles se multiplica as sopas dos pobres, os natais dos hospitais, as galas de caridade, os bancos alimentares, a caridade cristã, e até os programas de televisão ao estilo do regime fascista. Coisas todas muito «cruciais» para o futuro do país, como nos irão dizer daqui a um ano, se até lá não despertar a consciência colectiva de que crucial mesmo é mudar de política.

Anabela Fino


publicado por laura_ceu às 14:36

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.tags

. todas as tags