.posts recentes

. LINHA DO TUA

. CCDR trava prospecções no...

. Adorei este artigo!

. Factura EDP

. Os lobos da governança

. Convite para audição públ...

. Presidente do INAG desmen...

. Barragem de Foz Tua

. A todos os amigos e visit...

. Partido “Os Verdes” diz q...

. Montesinho terá energia e...

. O Governo ainda não sabe ...

. Barragem do Tua

. Governo aprova Programa N...

. Tente acertar!

. Este blog também está de ...

. Gato Fedorento / para rir

. República dos bananas

. As mãos limpas

. Autocarro avariado acende...

. Homenagem A Florencia e à...

. Salvem a Linha do Tua

. Debate em Mirandela - Inf...

. Estalou o verniz ao Gover...

. Barragem vai afogar linha...

. Contra o fecho da Urgênci...

. Tratados como animais!

. A minha mãe partiu para o...

. Água castanha obriga Câma...

. Funcionários públicos - A...

. A lei da selva

. Mais pobres pagam cada ve...

. Música medieval em Carraz...

. Imagens do blog do amigo ...

. Ministra da Educação - Ga...

. Encerramento das Urgência...

. As grandes questões do no...

. Ministro da má saúde dos ...

. Parque de campismo flutua...

. os perigos de dizer a ver...

. "Faça dos outros estúpido...

. O deserto da Margem Sul

. O Engenheiro Areias / Est...

. Apoio à Greve Geral

. A 30 de Maio os trabalhad...

. convite

. As imagens valem por mil ...

. Mapa de Portugal

. Última hora / Murça: mini...

. Sócrates pediu o esforço ...

.arquivos

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

.Fazer olhinhos

.Sergei cartoons


Cartoons, Caricatures, Comic Strips & much more!

Estou no Blog.com.pt

Sexta-feira, 17 de Novembro de 2006

Mão-cheia de nada

No congresso do PS que a semana passada entronizou José Sócrates como o actual «dono» do partido – na tradição, aliás, do que sempre ocorre e dura em Portugal enquanto um líder partidário for, concomitantemente, o «dono» do Governo e das suas infindáveis prebendas -, o reconduzidíssimo secretário-geral anunciou espalhafatosamente no seu discurso de encerramento que se preparava para «uma actualização progressiva» do salário mínimo nacional nos próximos três anos. Como não resiste aos floreados pirotécnicos em que se tornou especialista, frisou mesmo a intenção com a seguinte pérola: «Fá-lo-emos ainda este mês e esperamos poder contar com o empenhamento de todos os parceiros sociais para um acordo sobre um salário mínimo que dignifique o trabalho, reduza as desigualdades e prestigie o diálogo social».
Em todo este relambório desponta um único facto concreto – o de que, «ainda este mês», o Governo de José Sócrates «tenciona procurar um acordo» sobre o salário mínimo.
De fora fica o essencial, que é substantivamente tudo: quanto se pretende aumentar, que valor mínimo se tenciona atingir, que faseamento no tempo se quer operacionalizar, que percentagens de aumento se decidiu propor.
Assinale-se que José Sócrates já nem quantifica o tamanho da promessa que não vai cumprir, como fez, por exemplo, com os «150 mil novos postos de trabalho» que, como se sabe, estão paulatinamente a transformar-se em «150 mil novos desempregados».
Agora, com esta curiosa promessa de «aumento do salário mínimo» que não tem tamanho, nem medida, nem réstia de substância, José Sócrates já exibe mãos-cheias de coisa nenhuma.
A desfaçatez deste comportamento político de José Sócrates fica irrevogavelmente exposta, quando confrontada com a actuação do seu homólogo espanhol, José Luis Zapatero, na mesma matéria.
Quando subiu ao poder em 2004, Zapatero prometeu elevar o salário mínimo dos 460 euros de então para 600 euros em 2008, o que corresponde a um crescimento de 30% em quatro anos.
Passados dois anos, o balanço é esclarecedor: em 2005 e 2006 o salário mínimo real, em Espanha, cresceu cumulativamente 9% acima da produtividade, prevendo-se que em 2007 a descolagem desse salário mínimo real face à produtividade atingirá os 11%, o que configura uma efectiva concretização da promessa feita por Zapatero de se atingir, em 2008, um salário mínimo de 600 euros.
Em Portugal, no mesmo período – praticamente, todo ele, sob regência da maioria absoluta de José Sócrates – o inventário é igualmente elucidativo: em 2005 e 2006 o ordenado mínimo desvalorizou, em termos reais, 0,8% face à evolução da produtividade, apesar das promessas entretanto feitas tanto para a «criação de novos empregos», como para as «melhorias salariais» com que José Sócrates arrebanhou os votos da sua maioria absoluta.
Se recordarmos que o salário mínimo em Portugal anda actualmente nos 385,9 euros, e mesmo esses reduzidos a 343,5 euros após deduções para a Segurança Social, suspeitamos que esta «dignificação» do salário mínimo agora prometida por José Sócrates irá, na crueza dos factos, apenas transformar esta miséria de ordenado num consolidado «ordenado de miséria».
Deve tudo fazer parte da «grande reforma» para a direita que este «líder de esquerda» está a aplicar ao País.

Henrique Custódio


publicado por laura_ceu às 20:56

link do post | comentar | favorito
|


Cadastre-se no Trafegando - Divulgue Seu Site Gratuitamente e aumente suas visitas gratuitamente!

.mais sobre mim

.pesquisar

 

<script

.tags

. todas as tags