.posts recentes

. LINHA DO TUA

. CCDR trava prospecções no...

. Adorei este artigo!

. Factura EDP

. Os lobos da governança

. Convite para audição públ...

. Presidente do INAG desmen...

. Barragem de Foz Tua

. A todos os amigos e visit...

. Partido “Os Verdes” diz q...

. Montesinho terá energia e...

. O Governo ainda não sabe ...

. Barragem do Tua

. Governo aprova Programa N...

. Tente acertar!

. Este blog também está de ...

. Gato Fedorento / para rir

. República dos bananas

. As mãos limpas

. Autocarro avariado acende...

. Homenagem A Florencia e à...

. Salvem a Linha do Tua

. Debate em Mirandela - Inf...

. Estalou o verniz ao Gover...

. Barragem vai afogar linha...

. Contra o fecho da Urgênci...

. Tratados como animais!

. A minha mãe partiu para o...

. Água castanha obriga Câma...

. Funcionários públicos - A...

. A lei da selva

. Mais pobres pagam cada ve...

. Música medieval em Carraz...

. Imagens do blog do amigo ...

. Ministra da Educação - Ga...

. Encerramento das Urgência...

. As grandes questões do no...

. Ministro da má saúde dos ...

. Parque de campismo flutua...

. os perigos de dizer a ver...

. "Faça dos outros estúpido...

. O deserto da Margem Sul

. O Engenheiro Areias / Est...

. Apoio à Greve Geral

. A 30 de Maio os trabalhad...

. convite

. As imagens valem por mil ...

. Mapa de Portugal

. Última hora / Murça: mini...

. Sócrates pediu o esforço ...

.arquivos

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

.Fazer olhinhos

.Sergei cartoons


Cartoons, Caricatures, Comic Strips & much more!

Estou no Blog.com.pt

Sábado, 9 de Junho de 2007

Ministro da má saúde dos portugueses diz:

Artigo de opinião do Ministro da Saúde, Correia de Campos

Convivemos acriticamente com ideias feitas. E, de repente, a realidade surpreende-nos ao contrário. Em matéria de cobertura de saúde, agora que tanto se fala em requalificar urgências e reconverter consultas de serviços de atendimento permanente (SAP) através de unidades de saúde familiares (USF) ou atendimento prolongado, é bom revisitar três ideias feitas que contaminam a discussão.

Primeira ideia-feita: o litoral estaria mais densificado de serviços de cuidados primários de saúde, logo ofereceria mais protecção à população; o interior estaria mais a descoberto. Completamente falso: os distritos do interior, sobretudo os junto da fronteira, são os que dispõem de melhor relação médico de família/população. Apenas Viseu (1656), Vila Real (1627) e Bragança (1580) ultrapassam os clássicos 1500 habitantes por médico de família. Todos os outros do interior estão mais folgados: Guarda (1459), Castelo Branco (1492), Portalegre (1415), Viana do Castelo (1435). No outro extremo temos os distritos do litoral: Braga (1918), Porto (1952), Aveiro (1842), Lisboa (1785), Setúbal (2227), Faro (1811).

Assim cai um mito: o interior, nesta matéria, não é discriminado, está privilegiado.

Segunda ideia-feita: no litoral, os cidadãos frequentariam mais os SAP ou as consultas não-programadas, que no interior, onde uma hipotética maior disponibilidade de médicos deveria levar a que menos doentes recorressem a consultas irregulares. Completamente falso: os distritos do interior, mesmo os mais folgados em médicos, têm em média um quarto do total de consultas prestadas fora do esquema regular: médico diferente, novos exames, novo receituário. Porquê? Porque a perversão dos SAP e das generosas horas extra que propiciam seduzem os profissionais e explicam a escassez de oferta no horário regular do centro de saúde, no dia seguinte. Distorcem o sistema. Culpa dos médicos? Não, culpa do sistema, que os atrai para a irracionalidade e deturpação da medicina familiar. Basta ver a média dos valores pagos por mês a clínicos gerais, em horas extra, no ano de 2005, em alguns distritos: Bragança, 3482 €; Vila Real, 2800 €; Guarda, acima de 4000 €, com um concelho a 7600€, dois a 5500 €; Castelo Branco, acima do 3000€. Com suplementos tão elevados, bem se entende que não haja, no interior, grande apetência dos médicos pelo trabalho em unidades de saúde familiares.

Terceira ideia-feita: quanto mais isoladas as localizações, maior deveria ser a concentração de consultas, sobretudo no período nocturno. Completamente falso: é nos concelhos mais isolados que há menos procura nocturna. O distrito de Bragança é paradigmático: Apesar de 27% das consultas serem fora da actividade regular do centro de saúde, fora de horas, o número de atendimentos das 24:00 às 8:00 é absolutamente negligenciável, em média 1,2: Abaixo do 1,5 atendimentos-noite (2006) tivemos Alfândega da Fé, Carrazeda de Ansiães, Freixo de Espada à Cinta, Moncorvo, Miranda do Douro, Vimioso (0,6) e Vinhais (0,9). Acima de 1,5 só tivemos Mogadouro (1,8), Vila Flor (1,6). Ou seja, em 2006, em nove concelhos de Bragança (excluindo Bragança, Macedo de Cavaleiros e Mirandela) em cada noite foram assistidos, no total, 11,2 pacientes, mobilizando para o efeito nove médicos, nove enfermeiros e nove funcionários administrativos. Há, certamente, melhor forma de utilizar estes recursos escassos.

Poderá este modelo continuar? Será ele sustentável? Será ele justo, equitativo, na comparação com o País todo? Para além dos argumentos da equidade e da eficiência, há um factor de demografia médica demolidor: é que daqui a cinco anos, uma boa parte destes clínicos gerais terá deixado de poder prestar serviço nocturno. Tudo cairá na vertical.

Tratar das coisas a tempo e horas é a nossa obrigação.


publicado por laura_ceu às 15:58

link do post | comentar | favorito
|


Cadastre-se no Trafegando - Divulgue Seu Site Gratuitamente e aumente suas visitas gratuitamente!

.mais sobre mim

.pesquisar

 

<script

.tags

. todas as tags